Blog do InfoAmazonia

Rios de Manaus passam a ser monitorados contra enchentes
Comentários Comente

InfoAmazonia

Acompanhamento em tempo real promete ação mais rápida na prevenção de desastres contra a população que vive perto dos principais igarapés da cidade

Por Vandré Fonseca

Os níveis de dois dos principais igarapés que cortam Manaus (AM) podem ser acompanhados em tempo real desde o dia 21 de novembro no site do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden). As informações são coletadas por três Plataformas de Coleta de Dados Hidrológicos (PCDHidro) instaladas em parceria com a Defesa Civil do município. Os dados devem, agora, servir de base para a criação de um modelo que, no futuro, vai avisar com antecedência os moradores da região sobre riscos de cheia.

Além de um radar que monitora o nível do rio e a quantidade de chuva, as plataformas possuem câmeras que permitem acompanhar os rios em tempo real pela internet. As imagens, atualizadas a cada hora, ajudam a verificar enxurradas, erosão nas margens e alagamentos. Os dados são enviados à Brasília pelo sistema de telefonia celular. Os equipamentos contam, ainda, com painéis solares, que garantem energia para funcionamento ininterrupto.

Mapa interativo do Cemaden mostra localização das estações

Mapa interativo do Cemaden mostra localização das estações

As informações já estão disponíveis em um mapa interativo, onde estão indicados os locais onde as estações foram instaladas. Ao clicar em cima de cada ícone georreferenciado, uma página com gráficos sobre chuvas e nível do rio, além de imagens das câmeras, é aberta. É possível, ainda, fazer download dos dados na plataforma.

Continue lendo ➔


Trump afirma ter “mente aberta” para questão climática. Dá para acreditar?
Comentários Comente

InfoAmazonia

Declaração dada ao New York Times nesta terça-feira, 22, contraria tudo o que o presidente eleito dos Estados Unidos falou durante a campanha sobre o clima

Por Vandré Fonseca

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, finalmente falou sobre o Acordo de Paris. É a primeira vez que toca no assunto desde que foi eleito, em 8 de novembro. “Eu estou olhando de muito perto. Eu tenho uma mente aberta para isto”, afirmou durante uma conversa com editores e repórteres do New York Times, na tarde desta terça-feira.

Presidente eleito dos EUA tem "mente aberta" para Acordo de Paris. Foto: Gage Skidmore/Flickr

Presidente eleito dos EUA tem ''mente aberta'' para Acordo de Paris. Foto: Gage Skidmore/Flickr

Embora as duas frases não esclareçam muita coisa, já soam melhor do que a promessa feita algumas horas antes, em pronunciamento divulgado no YouTube, em que fala de planos para os 100 primeiros dias de governo. No vídeo, o futuro presidente americano afirmou que vai suspender restrições à produção de energia por queima de carvão ou gás de xisto para gerar empregos “bem remunerados” para os americanos.

O argumento de que o excesso de regulação aos combustíveis fósseis tem contribuído com o desemprego nos EUA é, aliás, contraditório, já que a queda no preço desses combustíveis é o que tem sido apontada como responsável pelo corte de empregos no setor no país.

Com a promessa, Trump aumentou as expectativas de que as metas de Barack Obama em reduzir as emissões americanas em 30% até 2025, como parte do Acordo de Paris, estão indo para além da estratosfera.

Continue lendo ➔


O senhor do Rio Negro
Comentários Comente

InfoAmazonia

Há 30 anos medindo voluntariamente o nível do Rio Negro em Manaus, Valderino Pereira é referência no que faz

Por Síntia Maciel

Na régua, Valderino Pereira mede o nível do Rio Negro há mais de 30 anos. Foto: Gustavo Faleiros

Na régua, Valderino Pereira mede o nível do Rio Negro há mais de 30 anos. Foto: Gustavo Faleiros

Falar da medição do Rio Negro é falar de Valderino Pereira da Silva, de 67 anos. Figura simpática e de riso fácil, o homem que há mais de 30 anos realiza a medição diária do nível do Rio Negro tem a responsabilidade de aferir e anotar a leitura hidrográfica, em uma régua posicionada na área portuária de Manaus e na qual constam todas as marcas das enchentes e vazantes a partir de 1902, quando o serviço começou a ser realizado. O trabalho de Valderino serve de base para que diversos órgãos estaduais e municipais e empresas de navegação adotem as suas medidas para navegação e previsão de situações de impacto à população.

Responsável também por toda a manutenção do porto, Valderino conta que começou a trabalhar no local como auxiliar de serviços gerais. “Mas, ao longo dos anos, fui ocupando outras funções: ajudante de pedreiro, carpinteiro, pintei boias ou tirei ferrugem delas no meio do rio. Quando me formei em técnico de edificações pela antiga Escola Técnica [hoje Instituto Federal do Amazonas] fui estagiar no setor de engenharia, na década de 70. Foi quando comecei a aprender a fazer a medição hidrográfica, no porto. Havia um rapaz, o José Cavalcante Paiva, que era o responsável por esse serviço. Quando ele tirava férias, era eu quem assumia. Mas, em nenhum momento imaginei que um dia estaria com a responsabilidade que tenho hoje. Tudo foi acontecendo naturalmente”, declara o engenheiro civil, curso que ele fez na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e onde se formou em 1998, 12 anos após ser aprovado.

“Foi uma época muito complicada, pois vinha trabalhar e tinha que sair correndo para assistir aula no campus. Houve dias em que pensei em desistir, em jogar tudo para o alto, mas batalhando e com o apoio da família, amigos e de algumas pessoas daqui, consegui concluir o curso”, relata ele.

Continue lendo ➔


Especialista vê com preocupação inserção do Brasil no mercado de carbono
Comentários Comente

InfoAmazonia

Por Daniel Santini

No último dia 4 de novembro, entrou formalmente em vigor o Acordo de Paris, aprovado na 21ª Conferência da ONU sobre o Clima, há cerca de um ano. O texto, ratificado pelo Brasil em 12 de setembro, estabelece como uma de suas bases a métrica “carbono” como unidade de medida para a economia internacional. Trata-se de um passo importante na estruturação de um mercado internacional em que empresas, países e regiões poderão justificar poluição, desmatamento, contaminação e destruição ambiental por meio de créditos ambientais adquiridos em zonas distantes. Agora, as negociações para aprofundar e detalhar o modelo devem prosseguir na 22ª edição da Conferência, que acontece até o dia 18 de novembro em Marraqueche, no Marrocos.

Michel Temer anuncia ratificação do Acordo de Paris. Para especialista, com afastamento de Dilma Rousseff, governo federal deve acelerar inserção do Brasil no comércio internacional de carbono. Foto: EBC

Michel Temer anuncia ratificação do Acordo de Paris. Para especialista, com afastamento de Dilma Rousseff, governo federal deve acelerar inserção do Brasil no comércio internacional de carbono. Foto: Beto Barata/PR

As bases estabelecidas até o momento são polêmicas. Se parte dos ambientalistas, movimentos sociais e acadêmicos que acompanham o debate elogiam as metas estabelecidas de redução de emissões e a preocupação declarada com o meio ambiente em meio às mudanças climáticas, outros fazem críticas às soluções delineadas, que contemplam políticas de economia verde, baseadas justamente no comércio de créditos de carbono. Entre as organizações que acompanham de perto a aplicação prática de tais iniciativas, está o Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais (ou WRM, da sigla em inglês World Rainforest Moviment), que, no Brasil, estuda os impactos de projetos implementados no Acre, incluindo aí os modelos de Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal, os chamados REDD, e outras modalidades de compra e venda de serviços ambientais. 1396


Mais água de um lado, mais seca de outro
Comentários Comente

InfoAmazonia

Mudanças climáticas terão efeitos diversos ao longo da Bacia Amazônica, indica previsão realizada com base em análises do IPCC

Por Vandré Fonseca (texto e fotos)

As mudanças climáticas vão causar efeitos diferentes e até opostos sobre o volume de águas ao longo da Bacia Amazônica. Apesar de divergências em resultados para regiões específicas, cenários construídos com base em análises do Painel Internacional para Mudanças Climáticas (IPCC, em inglês) apontam para uma quantidade maior de água nas parte ocidental da Amazônia, enquanto no leste a disponibilidade de água deve diminuir.

Estes resultados estão em um estudo publicado na revista Climate Change. O artigo faz parte da Iniciativa Águas Amazônicas, liderada pela Wildlife Conservation Society (WCS), que está preocupada com a manutenção da conectividade entre os sistemas aquáticos da região, importantes para a sobrevivência de comunidades e da vida silvestre. O estudo contou com a infraestrutura do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Flutuante serve de porto para canoas no interior do Amazonas. Mudanças nos rios podem causar impactos sobre comunidades ribeirinhas. Foto: Vandré Fonseca

Flutuante serve de porto para canoas no interior do Amazonas. Mudanças nos rios podem causar impactos sobre comunidades ribeirinhas

“Percebemos um padrão de aumento de chuvas, vazões máximas e áreas inundadas nos rios que drenam a parte oeste da bacia. E por outro lado, uma projeção de menor disponibilidade hídrica no leste da bacia”, afirmou Rodrigo Cauduro Dias de Paiva, que deu entrevista via internet ao lado do colega Mino Sorribas, ambos da UFRGS, salientando que o estudo demonstrou ainda a existência de muitas incertezas nas projeções.

Continue lendo ➔


Manaus amanhece encoberta por fumaça de queimadas
Comentários Comente

InfoAmazonia

Incêndios florestais e alta temperatura trazem fumaça de volta à capital do Amazonas

Por Síntia Maciel

Com temperatura de 36ºC e sensação térmica de 43º C, conforme dado do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), Manaus amanheceu coberta por uma densa fumaça nesta sexta-feira, 21.

Fumaça preta cobriu Manaus na manhã desta sexta-feira, 21. Foto: Márcio Melo

Fumaça preta cobriu Manaus na manhã desta sexta-feira, 21. Foto: Márcio Melo

“A nuvem de fumaça que amanheceu sobre a cidade nesta sexta-feira é oriunda das queimadas florestais e urbanas e das altas temperaturas. Pelo o que foi verificado pelo observador meteorológico da Rede de Meteorologia da Aeronáutica, entre o horário das 6h às 8h foi registrada uma fumaça, provavelmente de queimadas, na região do aeroporto de Ponta Pelada (Zona Sul)”, informa o meteorologista Gustavo Ribeiro do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Continue lendo ➔


Novo mapa interativo mostra 30 anos de violência contra indígenas no Brasil
Comentários Comente

InfoAmazonia

share-image-1200-630

Mapa interativo CACI permite filtrar casos de ataques contra indígenas por povos, estados e período

Uma compilação de dados dos últimos 30 anos revela que o extermínio de indígenas segue em marcha por todo país. Seja na Amazônia, no Cerrado, remanescentes de Mata Atlântica ou zonas urbanas, 947  índios de etnias diversas foram assassinatos entre 1985 e 2015.  A informação faz parte da nova plataforma do InfoAmazonia: CACI – Cartografia dos Ataques Contra Indígenas.

Organizados em um mapa interativo, os casos de homicídio podem ser filtrados de acordo com os povos, estados e períodos mais atingidos pela violência.  A palavra “caci” também significa dor em guarani.

O projeto, feito em parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo e Armazém Memória, representa o primeiro esforço de unir os documentos mais importantes no monitoramento de ataques contra indígenas, os relatórios anuais da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e do Conselho Indigenista Missionário (CIMI).

Ao geolocalizar os crimes no mapa, CACI faz a sobreposição com outras informações cartográficas, como os territórios indígenas, as áreas desmatadas e as hidrelétricas. Como em outros projetos do InfoAmazonia, esta linguagem permite relacionar fatos isolados com transformações ambientais de grande escala.

Para aprofundar o estudo dos casos de violência e revelar tendência, a plataforma também traz quatro dossiês elaborados por Marcelo Zelic, fundador do Armazém Memória e pesquisador da história recente das violações contra povos indígenas no país.

Um dos dossiês detalha o caso do Mato Grosso do Sul, onde, segundo sua avaliação, ocorre um genocídio. ''Um em cada dois assassinatos de indígenas registrados no Brasil entre 2003 e 2014 aconteceu no Mato Grosso do Sul. Estado tem a segunda maior população indígena e pior distribuição de terras'', detalha o texto de Zelic.

No lançamento da plataforma CACI em São Paulo, a liderança guarani-mbya Tiago Honório dos Santos ressaltou que a questão da violência contra indígenas permanece invisível à sociedade brasileira e que os direitos aos territórios não são respeitados.

''Estive em Mato Grosso do Sul visitando os parentes e realidade é bem dura. Hoje, os Guarani-Cayowaá, assim como todos os povos indígenas do Brasil, são vistos como um estorvo ao progresso'', disse o indígena.

Navegue pela plataforma CACI no mapa interativo abaixo ou no endereço – http://caci.rosaluxspba.org/


InfoAmazonia lança mapa do massacre de indígenas no Brasil
Comentários Comente

InfoAmazonia

Captura de tela da plataforma Caci

Captura de tela da plataforma Caci, que será lançada na terça-feira, 11 de outubro

Um debate sobre violações históricas dos direitos indígenas e de resistências será realizado na próxima terça-feira, dia 11 de outubro, em São Paulo. O evento começa às 19h e terá a apresentação da plataforma Cartografia dos Ataques Contra Indígenas (Caci) e da HQ Xondaro, em uma roda de conversa com participação do portal De Olho nos Ruralistas.

A Cartografia dos Ataques Contra Indígenas é um mapa interativo de assassinatos de indígenas no Brasil feito a partir dos registros do Conselho Indigenista Missionário e da Comissão Pastoral da Terra. A visualização, que explicita a constância com que povos originários foram e continuam sendo massacrados no país, foi elaborada a partir dos relatórios publicados pelas duas organizações entre 1985 e 2015. O projeto foi desenvolvido pela Fundação Rosa Luxemburgo, em parceria com Armazém Memória e InfoAmazonia, e está baseado em dados abertos: todas as bases utilizadas poderão ser baixadas na página da plataforma. Caci significa dor em Guarani.

Em todo o período, 947 indígenas foram assassinados no Brasil e 44% eram do Mato Grosso do Sul. Um deles é Semião Fernandes Vilhalva, morto por fazendeiros com um tiro no rosto em 2015 depois do acirramento de disputas no estado resultantes da demora na demarcação de terras indígenas. No mesmo ano, em Santa Catarina, um homem se aproximou de uma criança, acariciou seu rosto e a atacou com um estilete no pescoço, degolando-a.

Continue lendo ➔


Em estado de alerta, municípios do Amazonas são avaliados por Defesa Civil
Comentários Comente

InfoAmazonia

Equipes das Defesas Civil do Estado e Nacional fizeram visitas técnicas a Envira e Lábrea, que integram os leitos dos rios Juruá e do Purus

Por Síntia Maciel

Equipes da Defesa Civil percorreram, no final de setembro, os municípios amazonenses de Envira e Lábrea que são cortados pelos rios Juruá e Purus, respectivamente. As visitas devem gerar um relatório que será publicado nas próximas semanas para avaliar os danos ocasionados pela estiagem que afeta tais regiões. Juntos, os treze municípios que integram as calhas dos dois rios concentram uma população de mais de 63 mil pessoas, de acordo com os números estimados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Defesa Civil não estimou uma data exata para publicação deste relatório.

Tanto Lábrea quanto Envira se encontram em estado de alerta desde o mês de julho por apresentarem problemas de navegabilidade, em virtude da seca dos rios.

Conforme informações do secretário executivo da Defesa Civil do Amazonas, coronel Fernando Pires Júnior, o objetivo da visita técnica foi analisar juntamente com o órgão nacional, a evolução do desastre em municípios prejudicados pelo baixo nível dos rios e constatar as dificuldades enfrentadas pela população durante o período de anormalidade.

Continue lendo ➔


Temperatura deve subir até 5ºC no Amazonas em 25 anos, diz estudo
Comentários 1

InfoAmazonia

Com dias mais quentes e secos, pesquisa realizada pela Fiocruz em parceria com o Ministério do Meio Ambiente apresenta um panorama desastroso de mudanças climáticas no estado

Por Síntia Maciel

Manaus (AM) – Nesta quarta-feira (14) Manaus registrou uma temperatura média de 34ºC, conforme os termômetros espalhados pela capital amazonense. O tempo quente é comum neste mês de setembro na cidade, mas a ‘capital do mormaço’ deve se acostumar a temperaturas mais próximas dos 40ºC em 25 anos, de acordo com a pesquisa “Vulnerabilidade à Mudança do Clima”, cujos resultados foram divulgados nesta quarta-feira.

Organizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Minas Gerais em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o estudo vem sendo elaborado desde 2014 e, além do Amazonas, também avalia as mudanças do clima no Maranhão, Paraná, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e Espírito Santo.

Continue lendo ➔