Blog do InfoAmazonia

Arquivo : ribeirinhos

Pescadores da Amazônia já falam em impactos das alterações climáticas
Comentários Comente

Thiago Medaglia

“Em qual universidade você se formou?”. A pergunta era inevitável nas rodas de conversa entre os pesquisadores do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), no Amazonas. Ruiter Braga, 41 anos, nascido à beira do rio, filho de pescador, respondia um tanto sem graça: “Na universidade da prática”. Foi assim durante muito tempo, mas não é mais. Ruiter, agora, é biólogo.

“Falta apenas uma disciplina”, frisa o Técnico no Programa de Manejo de Pesca do IDSM. “As viagens interferiram nos estudos”, ele complementa. Ruiter ainda relata que a busca por uma formação acadêmica veio por incentivo de alguns biólogos do IDSM. “Foi difícil. Eu tinha terminado o ensino médio há 14 anos, mas consegui”, diz o biólogo prestes a ser graduado pela Universidade Estadual do Estado do Amazonas.

Quem já esteve na Amazônia sabe que, aos olhos urbanos, a vastidão de árvores e rios parece muitas vezes homogênea. Por isso mesmo, a leitura do ambiente feita pelos caboclos é impressionante. Capazes de distinguir minúcias imperceptíveis aos visitantes, eles conseguem apontar os pontos em um leito escuro de rio que podem custar ou não a vida do banhista (por causa dos agressivos jacarés-açu); os pescadores, desde sempre, souberam indicar os melhores locais para a pesca e a época adequada para as capturas.

A captura do pirarucu no Médio Solimões foi prejudicada pela irregularidade das chuvas em 2014. Foto: Amanda Lelis / IDSM

Mas agora, diante de um clima cada vez mais irregular, algumas “das previsões baseadas no conhecimento tradicional dos ribeirinhos não são mais confiáveis”, afirma Ruiter. E é justamente por aliar o conhecimento ancestral com a fundamentação científica, que suas falas sobre a floresta devem ser ouvidas. Na entrevista a seguir, Ruiter compartilha percpeções do interior da Amazônia sobre os impactos das alterações climáticas.

É um biólogo dando voz aos pescadores. Ou um pescador compartilhando o drama de seus pares.

Continue lendo ➔


InfoAmazônia faz oficinas com ribeirinhos na região do Tapajós
Comentários Comente

Giovanny Vera

A Rede InfoAmazônia iniciou operações do projeto de monitoramento da qualidade da água com três oficinas con comunidades ribeirinhas em Santarém e Belterra. O próximo passo será a instalação de sensores de baixo custo criados pelo projeto.

Santarém, cidade do estado do Pará, é uma pacata testemunha do longo namoro entre dois deuses da Amazônia. Dois rios que com seus meandros brincam entre a floresta por milhares de quilômetros. É frente a este auditório, de quase trezentos mil espectadores-habitantes, que acontece o encontro final de dois dos maiores rios do planeta, o Tapajós e o Amazonas, que seguem juntos, agora dando mais vida a um rio ainda maior, que dali segue até o oceano Atlântico. Como sempre, na Amazônia, os rios são determinantes para a vida, ou para a morte.

514


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>